v. 19, n. 33 (2000)

Editorial

Num texto de 1967, Roland Barthes mostra que o discurso da história, como todo discurso com pretensões realistas, parece fundamentar-se num esquema semântico de dois termos, o referente e o significante. O significado seria portanto confundido com o referente, o qual entraria em relação direta com o significante. Assim sendo, encarregado simplesmente de exprimir o real, o discurso ficaria sem o termo fundamental das estruturas imaginárias, que é o significado. Nietzsche, entretanto, dizia que "não há fatos em si. É sempre preciso começar por introduzir um sentido para que possa existir um fato", levando a concluir que um fato não tem senão existência linguística. Neste caso, enquanto linguagem (sistema simbólico de significação) ou discurso (enunciado visto a partir das condições de produção — linguísticas e sociais — que o geraram), irmanam-se literatura e história.

Por outro lado, a língua é regida por um código que obriga a dizer conforme certo repertório e certas regras; e se ela impede de dizer de outras formas, configura-se como discurso autoritário da verdade ou discurso alienante do estereótipo — daí seu caráter fascista, como reconheceu Barthes em aula inaugural da cadeira de semiologia literária do College de France.

Há, entretanto, uma possibilidade de discurso fora do poder e da coerção da linguagem: a literatura, capaz de revolução permanente, de anarquia, isto é, de infração à autoridade. Trata-se de uma escritura enviesada que, pretextando falar do mundo, remete para si mesma como referente e como forma peculiar de refratar o real. Questionando o mundo mas sem oferecer respostas, liberando a significação mas sem fixar sentidos, a linguagem poética se define como o lugar, ambíguo do interdito e do prazer, da pluralidade e da significância, o espaço social onde se desfaz o sujeito — entendido como juiz, mestre, decifrador — e por onde penetram o ideológico e o imaginário. Por tudo isso a literatura é essa trama (tecido, texto, textura) que se oferece, erótica e fértil, às mais variadas pesquisas estéticas, históricas, filosóficas, psicanalíticas.

Zília Mara Pastorello Scarpari

Editora

Sumário

Artigos

Sandra Jatahy Pesavento
PDF
19
José Luiz Foureaux de Souza Júnior
PDF
14
Jaime Ginzburg
PDF
10
Cecília Zokner
PDF
9
Sandra Sirangelo Maggio
PDF
9
Glória Pondé
PDF
9
Ceres Teixeira de Paula
PDF
17
Maria Luiza Ritzel Remédios
PDF
8
Andréa Maleski dos Santos
PDF
9
Marta Lia Genro Appel
PDF
12
César Augusto Guazelli
PDF
20
José Luís Giovanoni Fornos
PDF
11
Marione Rheinheimer
PDF
18
Maria Eunice Moreira
PDF
9
Laurindo Dalpian
PDF
14
Manuel Antonio de Castro
PDF
22
Werner Aguiar
PDF
12
Lígia Militz da Costa
PDF
14
Kathi Crivelaro Lopes
PDF
15
Zília Mara Scarpari
PDF
14