RECEPÇÃO DA LITERATURA FRANCESA EM MÁRIO DE ANDRADE, BANDEIRA E QUINTANA

Zília Mara Scarpari

Resumo


Uma análise da recepção da literatura estrangeira no Brasil no período de 1922 a 1945, aproximadamente, evidencia que o modernismo brasileiro deveu muito mais aos franceses que aos italianos. Com efeito, Mário de Andrade explicita as fontes de leitura do grupo paulista: Blaise Cendrars, Max Jacob, Apollinaire... Manuel Bandeira, por seu turno, trazia a herança da melhor poesia simbolista francesa. E no extremo sul do país, Mario Quintana prolongaria a trajetória do poeta pernambucano. Assim, numa espécie de cadeia de influências — ou confluências — projetadas no tempo e no espaço, e unidos pela via francesa, os três autores vêm constituir uma rara constelação na poética brasileira da modernidade.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


OUTRAS PUBLICAÇÕES DA UNIVERSIDADE FRANCISCANA

 

Artes, Letras e ComunicaçãoCiências da SaúdeCiências HumanasCiências Naturais e Tecnológicas

Ciências Sociais AplicadasThaumazeinVidya

 

INDEXADA EM

 

 

Os artigos publicados não expressam necessariamente a opinião da revista e são de responsabilidade exclusivados autores.


Creative Commons License

This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 Unported License.