v. 25, n. 1 (2005)

Editorial

Com grande satisfação, apresentamos o segundo número da Revista Vidya, que reúne variadas abordagens de professores/pesquisadores tanto do Centro Universitário Franciscano quanto de outras renomadas Instituições de Ensino Superior. Tal contribuição, entendemos, torna-se fundamental por propiciar a abertura de perspectivas teórico-críticas na área da educação, para a qual está voltado o novo perfil editorial desta publicação acadêmica, adotado desde 2007.

Como principais temas que perpassam a maior parte dos artigos deste número, temos a formação de professores e a educação continuada. Trata-se de abordagens que, além de suas incontornáveis inter-relações, estabelecem um diálogo de enriquecedora complementaridade. Assim, a partir do reconhecimento de que a prática e a teoria são indissociáveis, no primeiro texto, “Relação entre teoria/prática como elemento reflexivo da formação docente”, Guacira de Azambuja e Margarete Terezinha Sirena problematizam os caminhos para uma formação docente comprometida com a humanização. Essa humanização pode ser entendida, por sua vez, como o vértice central no qual se sustenta a noção de que os professores são sujeitos incompletos, em constante formação, de acordo com as proposições encontradas no segundo artigo, “Formação do professor: um processo inacabado”, de Vantoir Roberto Brancher, Elza Hirata Baptista, Mariglei Severo Maraschin e Victor Julierme Santos da Conceição. Após os conseqüentes questionamentos realizados, chegamos ao artigo de Délcia Enricone, “Formação de professores e contemporaneidade”, no qual se afirmam o conhecimento e a liberdade como fundamentos de uma prática educativa de excelência. Para tanto, a autora estabelece relações entre três clássicos da literatura mundial e o papel da utopia e da esperança para a atuação docente como fundamentos para os desafios da contemporaneidade. Dentre tais desafios, encontra-se, no artigo de Hedioneia Maria Foletto Pivetta e Silvia Maria de Aguiar Isaia, “A formação continuada e o significado de ser professor da educação superior: um diálogo intersubjetivo”, a necessidade de que os professores da educação superior se reconheçam em sua subjetividade e constituição grupal, direcionados no re-conhecimento da identidade de seus saberes. Das implicações e aprofundamentos que tal direcionamento proporciona, de acordo com a abordagem desenvolvida no referido texto, partimos para um relato de caso em que são avaliadas as propostas e os resultados de um programa de educação continuada em instituição privada de ensino superior: nessa avaliação, encontra-se o cerne do artigo “O diálogo entre diferentes saberes num programa de educação continuada”, de Neusa Maria John Scheid e de Cledes Antonio Casagrande. Com aproximado intento inicial, Janilse Fernandes Nunes Vasconcelos, Maria Antonia Ramos Azevedo, Marilene Gabriel Dalla Corte, Patrícia do Amaral Comaru e Rosemar de Fátima Vestena apresentam, em “Estratégias formativas em diferentes espaços e contextos: redimensionando o papel da prática de ensino e do Estágio Curricular Supervisionado”,  questionamentos sobre práticas nacionais e internacionais relacionadas à formação de professores, que envolvem estágios curriculares supervionados, articuladas como estratégias relevantes por propiciarem fundamentais parcerias entre universidade/escola. A importância dessa parceria também se faz presente no artigo “Representação social e educação especial: apontamentos a respeito da formação e prática docente”, de Carmem Rosane Segatto e Souza e Maria Inês Naujorks, em que são aprofundadas questões concernentes a representações sociais de professores e gestores em educação especial.

Por certo, esse estabelecimento de sentidos é apenas uma das muitas possibilidades de interação dialógica que os artigos proporcionam. Do mesmo modo, entendemos que os dois últimos artigos, “Grupos Focais virtuais em avaliação docente: proposta de ferramenta bate-papo”, de Benedito Jesus Ferreira e Luiz Dourado Dias Júnior, e “Parâmetros Curriculares Nacionais e Plano Nacional de Educação: quando a ordem dos fatores altera o resultado”, de Eliane Mimesse, articulam-se com os demais ao propiciarem o encaminhamento de problematizações sobre o saber-fazer docente - da atual contribuição dos recursos de informática na educação à compreensão do histórico e das limitações da legislação educacional.

Finalmente, a resenha apresentada neste número, desenvolvida por Vantoir Roberto Brancer, Cláudia Terra do Nascimento e Valeska Fortes de Oliveira, aponta para a importância do constante aprofundamento sobre a obra de Vigotsky, como propõe Teresa Cristina Rego, ao efetivar o resgate histórico-crítico de alguns dos principais fundamentos das proposições do pensador russo.

Aos autores e demais profissionais que contribuíram para a publicação de mais este significativo número da Revista Vidya, o nosso sincero agradecimento. A todos os leitores, o nosso desejo de que estes artigos se traduzam em renovadas reflexões e renovados saberes e fazeres de nossas práticas educativas.

Inara de Oliveira Rodrigues

Editora

Sumário

Artigos

Guacira de Azambuja, Margarete Terezinha Sirena
PDF
7
Vantoir Roberto Brancher, Elza Hirata Baptista, Mariglei Severo Maraschin, Victor Julierme Santos da Conceição
PDF
10
Délcia Enricone
PDF
7
Hedioneia Maria Foletto Pivetta, Silvia Maria de Aguiar Isaia
PDF
8
Neusa Maria John Scheid, Cledes Antonio Casagrande
PDF
11
Janilse Fernandes Nunes Vasconcelos, Maria Antonia Ramos de Azevedo, Marilene Gabriel Dalla Corte, Patrícia do Amaral Comarú, Rosemar de Fátima Vestena
PDF
12
Carmen Rosane Segatto e Souza, Maria Inês Naujorks
PDF
16
Benedito Jesus Ferreira, Luiz Dourado Dias Junior
PDF
10
Eliane Mimesse
PDF
19
Vantoir Roberto Brancher, Cláudia Terra do Nascimento, Valeska Fortes de Oliveira
PDF
3