v. 21, n. 38 (2002)

Editorial

De acordo com dados recentes do INEP, na rede pública, 47% dos alunos do Ensino Fundamental estudam em escolas sem biblioteca; cerca de 1 milhão de estudantes abandonam o Ensino Médio, número que chega a 2,9 milhões nas séries iniciais e, se na rede privada os dados são menos alarmantes, igualmente apontam para sérios problemas. As universidades também enfrentam carências estruturais e deparam-se com muitos desafios para uma efetiva democratização do saber. Trata-se, portanto, de uma realidade que, para ser transformada, exige decisões governamentais firmes, mas que não será superada sem o envolvimento de toda sociedade brasileira, isto é, cada um de nós, enquanto cidadãos conscientes de nossas escolhas políticas e possibilidades efetivas de intervenção a partir de nossos diferentes campos de atuação, precisa assumir responsabilidades na construção efetiva dessa mudança.

Para os professores e professoras, de todos os níveis de ensino, tal intervenção define se como fundamento mesmo de seu trabalho docente e, para isso, não se deve perder de vista que educação, seguindo-se as colocações de Marilena Chauí, "significa  um movimento de transformação interna daquele que passa de um suposto saber (ou da ignorância) ao saber propriamente dito (ou à compreensão de si, dos outros, da realidade, da cultura acumulada e da cultura no presente ou se fazendo)". Desse modo, a educação é inseparável da formação de todo indivíduo e, por isso, é sempre um processo permanente.

No atual mundo globalizado, essa noção de educação permanente, tendo em vista as exigências do mercado capitalista, muitas vezes se traduz, equivocadamente, como a capacidade de estarmos sempre sintonizados com as novidades que se apresentam em cada campo do saber, com as mais recentes descobertas tecnológicas e cientificas, a partir de informações que nos chegam por diferentes e cada vez mais sofisticados e velozes meios de comunicação. No entanto, o conhecimento é obtido por um percurso fundamentalmente reflexivo e a reflexão é um processo crítico e criativo que nos permite avançar para o novo a partir de nosso diálogo com o passado e com o presente.

Os artigos aqui reunidos representam a preocupação de educadores em apontar novas perspectivas sobre o processo educacional, cientes de que pensar certo, como disse Paulo Freire, "é não estarmos demasiadamente certos de nossas certezas", o que implica a clareza de que toda prática docente é um incessante questionamento, busca e pesquisa de caráter dialógico e histórico.

Inara de Oliveira Rodrigues

Editora

Sumário

Artigos

Rosane Carneiro Sarturi
PDF
23
Patrícia do Amaral Camarú, Maria Antonia Ramos de Azevedo
PDF
19
Elisete M. Tomazetti, Maria Antonia Ramos de Azevedo
PDF
14
Claudemir de Quadros
PDF
25
Geórgia Maria Ferro Benetti, Guacira de Azambuja, Márcia Gonzalez Feijó de Almeida, Marcos Araújo Vieira
PDF
8
Idenéia Silveira dos Santos
PDF
15
Maria Joanete Martins da Silveira
PDF
11
Márcia Doralina Alves, Caren Rosane Segatto e Souza
PDF
6
Rosani Sgari Szilagyi
PDF
22