v. 25, n. 2 (2005)

Editorial

Vivemos, há algumas décadas, em um paradoxal contexto em que a busca de certezas convive com a instabilidade de uma realidade cada vez mais dinâmica e multifacetada. Reconhecer esse processo implica demarcar o caráter histórico-cultural da própria construção do conhecimento. Nesse sentido, no campo propriamente da educação, e em sua dimensão mais ampla, significa, entre outros aspectos, uma constante “re-visão” sobre concepções teórico-metodológicas, que podemos traduzir como o enfrentamento inadiável de novos paradigmas.

Aos educadores e pesquisadores, diante desse quadro contextual, cabe um papel relevante como agentes responsáveis pelo questionamento sistemático da realidade e pela formulação de alternativas de alcance coletivo e comunitário. Pautam-se, assim, variados desafios relacionados à complexidade dos problemas a serem atualmente enfrentados.

Tal variedade de perspectivas encontra-se nesta edição da revista Vidya, na qual são apresentados desde afinados diagnósticos até proposições e encaminhamentos de respostas para prementes questões de nossa contemporaneidade, como a utilização do computador, tanto considerando-se as prerrogativas da Educação à Distância quanto as possibilidades de inclusão de alunos(as) portadores(as) de necessidades especiais; como os resultados de pesquisas relacionadas a objetos matemáticos de aprendizagem; propostas para o ensino de análise de erros e proporcionalidade em disciplinas de graduação; bem como questionamentos relacionados à arte-educação, à metodologia no ensino de Geografia, ao uso de novas fontes e linguagens no ensino de História e aos aspectos socioculturais que perpassam o desafiador tema do fracasso escolar.

A pluralidade dessas abordagens é um indicativo, por certo, da relevante produção acadêmica que, com grande satisfação, apresentamos. Nesse enriquecedor mosaico teórico-crítico, percebe-se uma unidade de propósitos direcionados ao enfrentamento do presente para que possamos vislumbrar positivamente o futuro. Cabe aqui lembrar as palavras do sertanejo Riobaldo, de Guimarães Rosa: “o real não está na saída nem na chegada: ele se dispõe para a gente é no meio da travessia”.

A todos que colaboraram neste percurso, o nosso agradecimento – a todos que compartilharem desta caminhada, o nosso desejo de uma ótima leitura.

 

Inara de Oliveira Rodrigues

Editora

Sumário

Artigos

Giovani R. Librelotto, Carine da Trindade de Avila
PDF
16
Leila Laís Gonçalves, Evânio Ramos Nicoleit, Elisa Netto Zanette
PDF
8
Eleni Bisognin, Leandra Anversa Fioreze, Helena Noronha Cury
PDF
10
Maria Tereza Vizzotto Barichello, Ceres Inez Zasso Zago
PDF
9
Elsbeth Leia Spode Becker
PDF
8
Elisabeth Weber Medeiros
PDF
13
Elsbeth Léia Spode Becker
PDF
8
Michèlle Domit Gugik
PDF
16
Aníbal Lopes Guedes, Cristiane de Bona, Roger Marcos Lopes
PDF
7