MODELAGEM MATEMÁTICA E O STATUS DOS ESTUDANTES EM GRUPO

Autores

  • Ilaine da Silva Campos Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG

DOI:

https://doi.org/10.37781/vidya.v43i2.4615

Palavras-chave:

Estudantes, Desigualdades, Educação Matemática Crítica, Ensino tradicional de matemática, Ações

Resumo

Neste artigo, discuto como o ambiente de aprendizagem de Modelagem Matemática pode favorecer mudanças de status dos estudantes, desestabilizando as desigualdades produzidas pelo ensino tradicional de matemática. Os dados são de natureza qualitativa, oriundos de observação participante e entrevista semiestruturada em grupo. Os sujeitos eram estudantes de uma turma de 3º Ano do Curso Técnico Integrado ao Ensino Médio, do Instituto Federal de Minas Gerais, Campus de Governador Valadares. O foco da análise são as ações de um estudante, que possuía um status de exclusão nas tomadas de decisões e participação nas atividades. A discussão se fundamenta na Educação Matemática Crítica. A análise indica que, apesar de não poder afirmar que ocorreram mudanças no status do estudante, a atividade de Modelagem Matemática favoreceu que o mesmo tivesse oportunidades de participar e se posicionar nas discussões que demandavam conhecimentos sobre a temática escolhida, assim, mudando, mesmo que momentaneamente, seu status no grupo.

Biografia do Autor

Ilaine da Silva Campos, Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG

Professora da Faculdade de Educação (FaE) da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Docente do Mestrado em Educação e Docência da Faculdade de Educação da UFMG (Linha de Pesquisa: Educação Matemática). Graduada em Licenciatura em Matemática pela Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS). Cursou mestrado e doutorado na UFMG, no programa de Educação: Conhecimento e Inclusão Social. Temas principais de estudo: Modelagem Matemática na Educação Matemática, Educação Matemática Crítica, Formação de Professores que Ensinam Matemática, Formação de Professores Indígenas e Teoria da Atividade. Neste artigo, discuto como o ambiente de aprendizagem de Modelagem pode favorecer mudanças de status dos estudantes, desestabilizando as desigualdades produzidas pelo ensino tradicional de matemática. Os dados são de natureza qualitativa, oriundos de observação participante e entrevista semiestruturada em grupo. Os sujeitos eram estudantes de uma turma de 3º Ano do Curso Técnico Integrado ao Ensino Médio, do Instituto Federal de Minas Gerais, Campus de Governador Valadares. O foco da análise são as ações de um estudante, que possuía um status de exclusão nas tomadas de decisões e participação nas atividades. A discussão se fundamenta na Educação Matemática Crítica.  A análise indica que, apesar de não poder afirmar que ocorreram mudanças no status do estudante, a atividade de Modelagem favoreceu que o mesmo tivesse oportunidades de participar e se posicionar nas discussões que demandavam conhecimentos sobre a temática escolhida, assim, mudando, mesmo que momentaneamente, seu status no grupo.

Downloads

Publicado

2023-12-15

Como Citar

Campos, I. da S. (2023). MODELAGEM MATEMÁTICA E O STATUS DOS ESTUDANTES EM GRUPO. VIDYA, 43(2), 207–224. https://doi.org/10.37781/vidya.v43i2.4615