Acomodação, negação e adaptação: debate historiográfico entre Gilberto Freyre, Jacob Gorender e a Historiografia do Escravo Real (Historiografia da escravidão no Brasil)

Leandro Goya Fontella, Luís Augusto Ebling Farinatti

Resumo


A historiografia sobre o escravismo no Brasil paira atualmente sobre um novo paradigma hegemônico. Influenciados pela corrente culturalista do marxismo, os historiadores deste panorama se opuseram à ideia de um sistema escravista extremamente rígido defendido pela perspectiva marxista estruturalista, que esteve em voga nas décadas de 1960-70. Esta, por sua vez, se contrapôs às concepções lançadas por G. Freyre nos anos 1930. Ao promover um debate historiográfico entre estas distintas perspectivas, não só busquei evidenciar algumas de suas principais contradições, equívocos, acertos e influências teórico-metodológicas, mas também, procurei constatar de que maneira essas abordagens construíram as suas representações sobre a escravidão e qual foi o padrão de comportamento que estabeleceram como requisito para caracterizar o escravo como sujeito histórico. Para isso, recorri a elementos das obras de Freyre, Gorender e de alguns historiadores da historiografia do escravo real. Deste modo, cheguei ao trinômio acomodação, negação e adaptação.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


OUTRAS PUBLICAÇÕES DA UNIVERSIDADE FRANCISCANA

 

Artes, Letras e ComunicaçãoCiências da SaúdeCiências HumanasCiências Naturais e Tecnológicas

Ciências Sociais AplicadasThaumazeinVidya

 

INDEXADA EM


 

Os artigos publicados não expressam necessariamente a opinião da revista e são de responsabilidade exclusivados autores.

Todos os custos são cobertos pela Universidade Franciscana.


Creative Commons License

This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 Unported License.