O clientelismo na política brasileira: da monarquia à república (1808–1920)

Adriana Teresinha da Silva, Antonio Osmar Dutra de Melo, Lauro Scherer, Lenir Cassel Agostini

Resumo


Nesta pesquisa pautou-se o tema “clientelismo na política brasileira”. Através da História política, buscou-se a compreensão das práticas clientelistas nas relações de poder. Para a elaboração deste trabalho, utilizou-se a pesquisa bibliográfica para fundamentação teórica e conceitual do fenômeno clientelista, bem como para perceber as relações entre o poder público e o privado. Nesse sentido, remete-se à política portuguesa, pautada na estrutura de um Estado patrimonialista que, por ocasião da transferência da corte portuguesa para o Brasil, formou um Estado que propiciou a formação de redes clientelistas. No período estudado da monarquia à república (1808-1920), demonstra-se o cenário político, no qual as personagens nacionais e locais, detentores do poder, formavam redes clientelistas no intuito de manter ou ascender ao poder. Nesse contexto, percebe-se que o clientelismo foi prática existente no cenário político brasileiro (1808-1920), seja através da cooptação – pautada na troca de favores – seja a partir da legitimação – construída a partir do voto.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


OUTRAS PUBLICAÇÕES DA UNIVERSIDADE FRANCISCANA

 

Artes, Letras e ComunicaçãoCiências da SaúdeCiências HumanasCiências Naturais e Tecnológicas

Ciências Sociais AplicadasThaumazeinVidya

 

INDEXADA EM


 

Os artigos publicados não expressam necessariamente a opinião da revista e são de responsabilidade exclusivados autores.

Todos os custos são cobertos pela Universidade Franciscana.


Creative Commons License

This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 Unported License.