Felicidade pessoal e justiça política na ética aristotélica

Adriano Perin, Solange de Moraes

Resumo


A doutrina ética de Aristóteles apresenta-se marcada por duas destacadas definições, a saber, a de felicidade e a de virtudes. Uma conciliaçãoentre ambas há muito é perseguida pelos comentadores e intérpretes de Aristóteles. Acentuada a diferença entre os que defendem que o filósofo teria concebido a felicidade segundo as virtudes morais e os que acreditam que a felicidade só se garante mediante as virtudes intelectuais, propõe-se, aqui. a partir de uma na análise da virtude racional prática (phrónesis). um entendimento acerca do que Aristóteles teria chamado de virtude perfeita. Esta, causa própria da felicidade. parece revelar não somente o aperfeiçoamento da disposição natural pelo hábito. cuja excelência é representada pela justiça enquanto excelência ou virtude moral natural. mas também e. necessariamente. a manifestação racional da phrónesis ou discernimento sobre este aperfeiçoamento. constituindo-se, assim. a excelência ou virtude moral em sentido estrito. O estudo foi realizado a partir de urna análise sistemática da filosofia prática de Aristóteles. com ênfase na obra Ética a Nicômaco, objetivando com isso uma melhor compreensão da relação existente entre felicidade pessoal e justiça política na filosofia moral aristotélica.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


OUTRAS PUBLICAÇÕES DA UNIVERSIDADE FRANCISCANA

 

Artes, Letras e ComunicaçãoCiências da SaúdeCiências HumanasCiências Naturais e Tecnológicas

Ciências Sociais AplicadasThaumazeinVidya

 

INDEXADA EM


 

Os artigos publicados não expressam necessariamente a opinião da revista e são de responsabilidade exclusivados autores.

Todos os custos são cobertos pela Universidade Franciscana.


Creative Commons License

This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 Unported License.