JUÍZO, CONCEITO E OBJETO NA DEDUÇÃO METAFÍSICA: ALGUNS APONTAMENTOS

Mitieli Seixas da Silva

Resumo


Na Seção Do fio condutor para a descoberta de todos os conceitos puros do entendimento, Kant afirma que essa descoberta é possível dada sua correspondência a uma tábua dos juízos, a qual é fundada no uso lógico do entendimento. Na sequência desse texto, Kant apresenta duas concepções distintas do que ele entende por julgar: i) “a ação de unificar representações”; ii) “o conhecimento mediato de um objeto”. Isso posto, o objetivo de nosso texto é investigar a abrangência e a limitação dessas duas concepções do ato de julgar, dando atenção especial para a explicação da relação do juízo com os objetos de conhecimento. Como veremos, uma vez que a primeira compreensão de juízo apresentada na Seção Do fio condutor... não explica a relação do conhecimento com o objeto de conhecimento, atentaremos para a segunda dessas explicações: se o juízo é o conhecimento mediato de um objeto, é na atividade própria ao julgar que nosso pensamento pode fazer referência ao objeto de conhecimento. Contudo, ao final de nosso texto, veremos alguns problemas dessa última caracterização do juízo, chegando ao resultado “negativo” de sua insuficiência para explicar a relação do conceito com o objeto de conhecimento no interior do juízo. Como último movimento, sugeriremos um encaminhamento para um resultado “positivo” de nossa análise, a saber, talvez apenas um olhar para a função reflexionante do juízo possa esclarecer o fundamento para a relação conhecimento/objeto de conhecimento. A parte final de nosso texto consistirá em sugerir um ponto de partida para enfrentar a questão da formação - quanto ao conteúdo - dos conceitos empíricos em Kant.


Texto completo:

PDF

Referências


ALTMANN, Sílvia. Juízo, categoria e existência: A resposta kantiana ao argumento ontológico à luz da Dedução Metafísica. Porto Alegre. Tese. Programa de Pós-Graduação em Filosofia da UFRGS, 2005.

ARNAULD, Antoine e NICOLE, Pierre. Logique de Port-Royal. Nouvelle Edition. Paris: Librairie Hachette e Cia. 1874.

BRANDT, Reinhardt. The table of judgments: Critique of Pure Reason A 67-76; B 92-101. Translated and edited by Eric Watkins. Atascadero, CA: North American Kant Society, Volume 4, 1995, 147 p.

CODATO, Luciano. Lógica Formal e Transcendental: Kant e a questão das relações entre intuição e conceito no juízo. Analytica, Rio de Janeiro, v. 10, n. 2, 2006, pp. 125-145.

GINSBORG, Hannah. The normativity of nature. Oxford: Oxford University Press, 2015.

KANT, Immanuel. Crítica da Razão Pura. Tradução de Manuela Pinto dos Santos e Alexandre Fradique Morujão. 5ª Edição. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2001.

______ Lógica. Tradução do texto original estabelecido por Gottlob Jäsche de Guido Antônio de Almeida. 3ª Edição. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 2003.

______ Premiers principes métaphysiques de la Science de la nature. Traduit de l’allemand par J. Gibelin. Paris: Librairie Philosophique J. Vrin, 1990, 165 p.

______ Reflexionen aus dem Nachlaß: Logik. Kants Werke: Akademie-Textausgabe, XVI, Berlin: Georg Reimer, 1900 sq.

______ Kritik der Urtheilskraft. Kants Werke: Akademie-Textausgabe, V, Berlin: Georg Reimer, 1900 sq.

LONGUENESSE, Béatrice, Kant and the capacity of judge. Princeton, Princeton University Press, 2000.

REICH, Klaus. The completeness of table of judgments. Translated by Jane Kneller and Michael Losonsky. Stanford: Stanford University Press, 1992.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


OUTRAS PUBLICAÇÕES DA UNIVERSIDADE FRANCISCANA

 

Artes, Letras e ComunicaçãoCiências da SaúdeCiências HumanasCiências Naturais e Tecnológicas

Ciências Sociais AplicadasThaumazeinVidya

 

INDEXADA EM

 

Os artigos publicados não expressam necessariamente a opinião da revista e são de responsabilidade exclusivados autores.

Não há custos de publicação e leitura, mas doações são bem vindas.

Todos os custos são cobertos pelo Centro Universitário Franciscano.


Creative Commons License

This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 Unported License.