Observação, contemplação e intuição nas concepções metodológicas de Humboldt e na obra de Mee

Emiliana Nunes Santos, Elsbeth Léia Spode Becker

Resumo


Neste trabalho, busca-se enfocar as concepções metodológicas de Humboldt sobre a natureza em seu universo de estudo. Por outro lado, procura-se apontar as possíveis semelhanças nos procedimentos metodológicos de Mee nos registros da botânica da Amazônia e, por fim, relacionar os registros antropológicos de ambos a fim de destacar a sensibilidade para com os povos nativos. A metodologia está embasada no estado da arte e na perspectiva da pesquisa qualitativa. Concluiu-se que Humboldt foi um estudioso cuja importância ultrapassa os domínios temporais de sua época e espaciais da sociedade em que viveu. De forma similar, a obra de Margaret Mee transforma-se em uma cruzada apaixonada pela preservação do ambiente frágil da Amazônia. Humboldt e Mee jamais perderam o entusiasmo pelo trabalho de campo e não mediram esforços para registros em diários e desenhos que auxiliaram na catalogação de novas espécies em áreas remotas da Amazônia. Ambos utilizaram a observação, a contemplação e, especialmente, a intuição como principal técnica de análise criando uma interação entre observador e objeto.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


OUTRAS PUBLICAÇÕES DA UNIVERSIDADE FRANCISCANA

 

Artes, Letras e ComunicaçãoCiências da SaúdeCiências HumanasCiências Naturais e Tecnológicas

Ciências Sociais AplicadasThaumazeinVidya

 

INDEXADA EM


 

Os artigos publicados não expressam necessariamente a opinião da revista e são de responsabilidade exclusivados autores.

Todos os custos são cobertos pela Universidade Franciscana.


Creative Commons License

This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 Unported License.