Não tem filhos? Por quê?

Naiana Dapieve Patias, Caroline Stumpf Buaes

Resumo


Este artigo foi produzido a partir de um estudo realizado para fins de Trabalho Final de Graduação em Psicologia, no qual participaram seis mulheres com idades variando de 29 a 44 anos e que optaram pela não maternidade. O foco do presente trabalho são as pressões sociais para viverem a maternidade que as mulheres relataram sofrer por “transgredir” a norma em que ser mulher está ligada à experiência de ser mãe. Realizou-se uma pesquisa qualitativa cujos dados foram gerados a partir de entrevistas semiestruturadas e analisados por meio da técnica de análise de conteúdo. Os resultados sugerem que a maternidade pode ser ou não uma escolha da mulher, no entanto, a concepção de maternidade ligada diretamente à constituição da identidade feminina ainda persiste no imaginário social. Nesse sentido, as mulheres que optam por não ter filhos sentem-se interpeladas por discursos tradicionais de família e maternidade a justificarem sua escolha, o que produz um sentimento de “endividamento” diante do não cumprimento da norma social do amor materno.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


OUTRAS PUBLICAÇÕES DA UNIVERSIDADE FRANCISCANA

 

Artes, Letras e ComunicaçãoCiências da SaúdeCiências HumanasCiências Naturais e Tecnológicas

Ciências Sociais AplicadasThaumazeinVidya

 

INDEXADA EM


 

Os artigos publicados não expressam necessariamente a opinião da revista e são de responsabilidade exclusivados autores.

Todos os custos são cobertos pela Universidade Franciscana.


Creative Commons License

This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 Unported License.