Trabalho e resistência escrava nas matas e nos campos da Serra Geral (1847-1866)

Renata Saldanha Oliveira, Janaina Souza Teixeira

Resumo


Neste trabalho, o objetivo é discutir a escravidão na Região Central do Rio Grande do Sul, na metade do século XIX, especificamente, entre 1847 e 1866. Para este estudo, consideraremos os aspectos econômicos e sociais dessa sociedade. Utilizaremos como fontes inventários post-mortem, processos crimes e cíveis e ainda a análise e interpretação das diferentes abordagens sobre o tema encontradas em referências bibliográficas, que embasaram este estudo, o qual se insere no campo da História Regional, fazendo uso, para isso, do conceito de espaço cunhado pela geografia crítica. A postura metodológica adotada foi a análise qualitativa dos dados coletados. Estudos recentes sobre a escravidão, no Rio Grande do Sul, têm enfocado aspectos sociais e econômicos tanto no meio urbano como no meio rural, desmistificando a idéia de que a escravidão no Estado, afora o contexto charqueador, fora pequena e as formas de resistência amenas. Portanto, o trabalho que realizamos vêm colaborar com esses novos estudos, pois por meio dos dados que obtivemos, ficou demonstrado que o trabalho escravo esteve presente nas propriedades dos luso-brasileiros que habitavam a Região Central do Rio Grande do Sul e que os escravos demonstraram várias formas de resistência.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


OUTRAS PUBLICAÇÕES DA UNIVERSIDADE FRANCISCANA

 

Artes, Letras e ComunicaçãoCiências da SaúdeCiências HumanasCiências Naturais e Tecnológicas

Ciências Sociais AplicadasThaumazeinVidya

 

INDEXADA EM


 

Os artigos publicados não expressam necessariamente a opinião da revista e são de responsabilidade exclusivados autores.

Todos os custos são cobertos pela Universidade Franciscana.


Creative Commons License

This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 Unported License.