HABERMAS E A FILOSOFIA DA HISTÓRIA COMO FUNDAMENTO PARA UMA PRÁXIS EMANCIPADORA

Diego Augusto Gonçalves Ferreira

Resumo


O objetivo do presente artigo é encontrar e compreender a existência de uma filosofia da história no pensamento de Jürgen Habermas (1929-). A reflexão parte do pressuposto que, ao elaborar uma teoria crítica da sociedade, na esteira dos pensadores frankfurtianos, o pensador alemão não quis desenvolver uma filosofia da história universalista e objetivista, mas defendeu a necessidade de que ela possua uma intenção prática. Nesse sentido, a filosofia da história de Habermas nada mais é do que o fundamento para uma práxis emancipadora, ou seja, para uma ação ético-política a partir da qual o ser humano construa a si mesmo e a sua civilização de modo esclarecido, democrático e responsável. Para tanto, o artigo está divido em três partes: uma introdução que contextualiza o pensamento de Habermas; um desenvolvimento que explicita sua visão a respeito de uma filosofia da história com intenção prática; e uma conclusão que apresenta alguns desdobramentos de sua reflexão.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.37782/thaumazein.v15i30.4271

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


OUTRAS PUBLICAÇÕES DA UNIVERSIDADE FRANCISCANA

 

Artes, Letras e ComunicaçãoCiências da SaúdeCiências HumanasCiências Naturais e Tecnológicas

Ciências Sociais AplicadasThaumazeinVidya

 

INDEXADA EM

 

Os artigos publicados não expressam necessariamente a opinião da revista e são de responsabilidade exclusivados autores.

Não há custos de publicação e leitura, mas doações são bem vindas.

Todos os custos são cobertos pelo Centro Universitário Franciscano.


Creative Commons License

This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 Unported License.