A PRUDÊNCIA E A NOÇÃO DE FIM NA SUMA DE TEOLOGIA, II-II, QUESTÃO 47

André Ricardo Randazzo Gomes

Resumo


Nas últimas décadas, alguns autores se dedicaram ao estudo da noção do fim natural na ética de Tomás de Aquino. Neste artigo, pretendo contribuir para a compreensão do pensamento de Tomás de Aquino a respeito do fim natural na ética, realizando uma tarefa que parece não ter sido realizada ainda: fazendo uma leitura bem próxima e ordenada do texto da questão do Tratado sobre a Prudência que trata da prudência em si mesma, a questão 47. A minha interpretação deste texto não será totalmente nova, mas espero que tenha o mérito de mostrar que a questão 47 é uma síntese do pensamento de Tomás sobre o fim natural na ética, ou seja, que ela contém todas as principais teses de Tomás sobre tal assunto. O artigo terá duas partes básicas: primeiro, apresentarei a minha leitura da questão 47, destacando toda elaboração que Tomás faz sobre a noção de fim; e, segundo, indicarei e discutirei o que terei encontrado como as principais teses de Tomás a respeito dessa noção.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.37782/thaumazein.v14i27.3936

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


OUTRAS PUBLICAÇÕES DA UNIVERSIDADE FRANCISCANA

 

Artes, Letras e ComunicaçãoCiências da SaúdeCiências HumanasCiências Naturais e Tecnológicas

Ciências Sociais AplicadasThaumazeinVidya

 

INDEXADA EM

 

Os artigos publicados não expressam necessariamente a opinião da revista e são de responsabilidade exclusivados autores.

Não há custos de publicação e leitura, mas doações são bem vindas.

Todos os custos são cobertos pelo Centro Universitário Franciscano.


Creative Commons License

This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 Unported License.