Relação entre estresse oxidativo e síndrome metabólica

Aline Gurski Bolzan, Natielen Jacques Schuch

Resumo


A síndrome metabólica (SM) é caracterizada por uma combinação de fatores de risco cardiovascular, incluindo dislipidemia aterogênica, intolerância à glicose, hipertensão e obesidade visceral, condições que estão intimamente associadas com resistência à insulina. Evidências sugerem um papel patogênico dominante do estresse oxidativo no dano e disfunção celular. O objetivo do presente estudo é revisar as principais questões relacionadas ao papel do estresse oxidativo como potencial marcador de risco para a SM, através da busca de artigos científicos originais e da revisão das bases de dados MedLine/Pubmed e LILACS. As evidências científicas sugerem que o estresse oxidativo parece ocupar um papel central nas manifestações da SM, incluindo disfunção endotelial, resistência à insulina, obesidade abdominal e hiperlipidemia, e desempenha um papel chave no aparecimento de doenças crônicas, tais como as doenças cardiovasculares (DCV), obesidade e principalmente no aparecimento de Diabetes Mellitus tipo 2 (DM2). Sua importância é apoiada nas alterações de marcadores do estresse oxidativo, tais como lipoperoxidação, carbonilação e da capacidade antioxidante, evidenciados por estudos em modelos animais e humanos.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


OUTRAS PUBLICAÇÕES DA UNIVERSIDADE FRANCISCANA

 

Artes, Letras e ComunicaçãoCiências da SaúdeCiências HumanasCiências Naturais e Tecnológicas

Ciências Sociais AplicadasThaumazeinVidya

 

INDEXADA EM


 

Os artigos publicados não expressam necessariamente a opinião da revista e são de responsabilidade exclusivados autores.

Todos os custos são cobertos pelo Centro Universitário Franciscano.


Creative Commons License

This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 Unported License.