Autopercepção e gravidade das doenças periodontais

Gabriela Bohn Lazzari, Cassiano Coradini de Moura, Luísa Comerlato Jardim, Cristina Machado Bragança de Moraes, Raquel Pippi Antoniazzi

Resumo


O objetivo no presente estudo foi associar perguntas de autopercepção com a gravidade da doença periodontal. O estudo foi transversal e os dados foram coletados de dezembro de 2011 a dezembro de 2012, de pacientes das clínicas de odontologia do Centro Universitário Franciscano, Santa Maria, estado do Rio Grande do Sul - RS. Todos participantes foram avaliados quanto ao índice de placa visível (IPV), índice de sangramento gengival (ISG), profundidade de sondagem (PS), nível de inserção clínica (NIC) e sangramento à sondagem (SS). Após o exame, os participantes responderam ao questionário que avaliou o autoconhecimento quanto às doenças periodontais proposto pela Academia Americana de Periodontia. Foram incluídos 79 pacientes. As respostas positivas referentes a presença de dentes frouxos, realização de extração de dentes frouxos, pouca frequência de visitas ao dentista, uso raro de fio dental e ainda as alterações sistêmicas foram associadas a presença de periodontite grave (≥ 6mm) em mais de 30% dos dentes (P<0,05). Somente as perguntas relacionadas a presença de dentes frouxos, baixa frequência de visita ao dentista, pouco uso de fio dental e alterações sistêmicas foram válidas para identificar indivíduos com maior gravidade e extensão de doença periodontal.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


OUTRAS PUBLICAÇÕES DA UNIVERSIDADE FRANCISCANA

 

Artes, Letras e ComunicaçãoCiências da SaúdeCiências HumanasCiências Naturais e Tecnológicas

Ciências Sociais AplicadasThaumazeinVidya

 

INDEXADA EM


 

Os artigos publicados não expressam necessariamente a opinião da revista e são de responsabilidade exclusivados autores.

Todos os custos são cobertos pelo Centro Universitário Franciscano.


Creative Commons License

This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 Unported License.