Avaliação de fraudes em méis consumidos na Região Noroeste do Rio Grande do Sul

Catiele Buligon, Nara Pegoraro, Patrícia Bersch, Rodrigo Fernando dos Santos Salazar, Ludmila Noskoski Salazar

Resumo


O mel é um produto natural consumido em todo mundo. Desse modo, o controle de qualidade é importante devido à possibilidade de fraudes. Neste sentido, o objetivo desse trabalho foi avaliar a qualidade de méis comercializados na Região Noroeste do Rio Grande do Sul. Foram realizados os testes de Fiehe e Lugol em amostras oriundas de 5 localidades, totalizando 20 ensaios para cada teste. Os experimentos foram feitos ao longo do 1º semestre de 2015. O teste de Fiehe avalia se houve adulteração pela adição de xaropes de açúcares ou se houve superaquecimento do mel. O teste de Lugol permite detectar a presença de dextrinas e amido adicionados ao mel. Cerca de 80% das amostras deram negativo para o teste de Fiehe, enquanto que cerca de 60% deram negativo para o teste de Lugol. Desse modo, conclui-se que a maioria das amostras de mel comercializadas na região não apresenta adulteração devido a superaquecimento ou pela adição de açúcares, amido e dextrinas.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


OUTRAS PUBLICAÇÕES DA UNIVERSIDADE FRANCISCANA

 

Artes, Letras e ComunicaçãoCiências da SaúdeCiências HumanasCiências Naturais e Tecnológicas

Ciências Sociais AplicadasThaumazeinVidya

 

INDEXADA EM


 

Os artigos publicados não expressam necessariamente a opinião da revista e são de responsabilidade exclusivados autores.

Todos os custos são cobertos pelo Centro Universitário Franciscano.


Creative Commons License

This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 Unported License.