Verbos irregulares: o paradigma da derivação

Tania Medianeira Aires Borges, Nilsa Teresinha Reichert Barin

Resumo


Conjugar verbos em Língua Portuguesa não é uma tarefa fácil, considerando os inúmeros verbos irregulares que compõe o nosso léxico. Para o ensino de verbos irregulares e para evitar a “decoreba”, o professor deve discutir uma proposta de ensino da flexão verbal que seja importante para a vida do educando e, nesse sentido, a relação entre tempos primitivos e derivados será fundamental. Nesta pesquisa, o objetivo é analisar, nos livros didáticos de ensino fundamental, se o ensino de verbos irregulares contempla tempos primitivos e derivados. Os pressupostos teóricos embasaram a discussão do corpus, constituído de três livros didáticos, de diferentes autores, para analisar a proposta sobre verbos irregulares. Ainda considerados de forma tradicional, os tempos verbais seguem a flexão no modo indicativo, subjuntivo e imperativo, sem menção aos tempos primitivos e derivados, dificultando a compreensão e a consequente aprendizagem dessa categoria gramatical.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


OUTRAS PUBLICAÇÕES DA UNIVERSIDADE FRANCISCANA

 

Artes, Letras e ComunicaçãoCiências da SaúdeCiências HumanasCiências Naturais e Tecnológicas

Ciências Sociais AplicadasThaumazeinVidya

 

INDEXADA EM


 

Os artigos publicados não expressam necessariamente a opinião da revista e são de responsabilidade exclusiva dos autores.

Todos os custos são cobertos pelo Centro Universitário Franciscano.


Creative Commons License

This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 Unported License.