Animais atropelados em um trecho da rodovia BR-158, região central do Rio Grande do Sul

Vinícius Ebling de Souza, Júlia Piovesan Somavilla, Jivago Schumacher de Oliveira, Luiz Fernando Schallemberger, Galileo Adeli Buriol, André Luis Domingues

Resumo


A morte de animais por atropelamento em rodovias é um problema comum em muitos países. Nesse contexto, com o presente trabalho, buscou-se identificar, quantificar e mapear as espécies de animais atropelados em um trecho da rodovia BR-158, localizada na região central do Estado do Rio Grande do Sul. O levantamento foi realizado entre novembro de 2010 e agosto de 2011. Os animais foram georreferenciados com GPS e identificados pela análise de fotografias e uso de guias de identificação. Mapas de calor foram elaborados para a identificação dos trechos com maior incidência de atropelamentos. Registrou-se um total de 422 animais atropelados, pertencentes a quatro classes, 19 ordens, 31 famílias e 47 espécies. A classe dos mamíferos (128 animais) foi a mais vitimada, seguida por aves (120), répteis (36) e anfíbios (14). As espécies com maior ocorrência foram Didelphis albiventris (20%) e Tupinambis merianae (11%). Duas espécies classificadas como vulneráveis foram encontradas: Nasua (quati) e Herpailurus yaguarondi (gato mourisco). No verão e na primavera, houve maior incidência e diversidade de animais atropelados. Os trechos que apresentaram maior ocorrência de atropelamentos localizam-se próximos ao perímetro urbano da cidade de Itaara/RS. A instalação de redutores de velocidade e estruturas de passagem de fauna nesses trechos pode ajudar a diminuir os atropelamentos.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


OUTRAS PUBLICAÇÕES DA UNIVERSIDADE FRANCISCANA

 

Artes, Letras e ComunicaçãoCiências da SaúdeCiências HumanasCiências Naturais e Tecnológicas

Ciências Sociais AplicadasThaumazeinVidya

 

INDEXADA EM


 

Os artigos publicados não expressam necessariamente a opinião da revista e são de responsabilidade exclusivados autores.

Todos os custos são cobertos pelo Centro Universitário Franciscano.


Creative Commons License

This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 Unported License.